sexta-feira, 18 de abril de 2014

Negociação de PLR, com empresas de autopeças continuam no retorno do feriado

O Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari filiado a CTB chapa 1, está em mesa de negociação com as empresas de autopeças fora do complexo Ford, discutindo a PLR 2014 como também a 1ª parcela da PLR. "Somos a maior PLR de autopeças do Brasil e vamos continuar tendo os mesmos avanços e crescimentos de benefícios para todos os trabalhadores" Diz Júlio presidente da entidade. 

Fonte: Stim Camaçari filiado a CTB
17/04/2014  

segunda-feira, 14 de abril de 2014

AUTO ESPORTE PUBLICA NA SUA PAGINA, FÉRIAS NA GM, FIAT E MERCEDES.

A General Motors inicia nesta segunda-feira (14) um período de férias coletivas nas fábricas de São Caetano do Sul e São José dos Campos, ambas em São Paulo. Na primeira, a parada será até o próximo dia 27. Na unidade do Vale do Paraíba, até o dia 5 de maio, abrangendo a unidade de motores e componentes. A dona da marca Chevrolet diz que o objetivo é "ajustar a produção à atual demanda do mercado brasileiro" e não informa o número de empregados envolvidos.
Também a partir desta segunda, a Fiat dá 20 dias de "férias voluntárias" a 800 funcionários de um dos turnos de uma das quatro linhas de produção em Betim (MG), deixando de produzir 2.400 carros nos modelos Bravo, Idea, Punto, Dobló e Linea.
Além delas, a Mercedes-Benz tem férias coletivas programadas para cerca de 450 funcionários da unidade de Juiz de Fora (MG), onde fabrica caminhões, entre 22 de abril e 11 de maio. A montadora alemã também abriu, no último dia 7, um Plano de Demissão Voluntária (PDV) para a unidade de São Bernardo do Campo (SP), onde faz também ônibus.
A produção de veículos no Brasil no primeiro trimestre foi 8,4% menor do que no mesmo período de 2013, segundo números da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A redução é motivada por queda nas vendas internas e externas e, consequentemente, pelos pátios cheios.
Os emplacamentos de carros, caminhões e ônibus caíram 2,1% de janeiro a março, na comparação com o primeiro trimestre de 2013, também de acordo com a Anfavea. A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que reúne os concessionários, considerou o mês passado o pior março dos últimos 5 anos para vendas.
Com o ritmo fraco no comércio de veículos zero quilômetro, os estoques subiram de 37 dias, em fevereiro, número já considerado alto, para 48 dias, em março, somando unidades nos pátios das montadoras e nas lojas.
IPI, airbag e ABS

A alta nos estoques foi um dos motivos que levaram o governo federal a determinar, em maio de 2012, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros. A medida promoveu recordes históricos de vendas em junho, julho e agosto daquele ano. O desconto foi reduzido em abril de 2013 e, novamente, em janeiro passado. A previsão do governo é de que a alíquota poderá voltar ao normal em julho próximo.

"Precisamos lembrar que no ano passado passamos por um momento de expectativa de aumento de IPI em março, que acabou sendo adiado no fim daquele mês. Além disso, tivemos neste ano aumento de preço em razão da elevação do IPI e da introdução de airbag e ABS nos veículos leves e, por último, tivemos ainda dois dias úteis a menos em função do feriado do carnaval”, observou Luiz Moan, presidente da Anfavea, referindo-se à queda de 15,1% nas vendas do mês passado sobre as de março de 2013.
Crise argentina

Ainda no primeiro trimestre, as exportações recuaram 32,7%, sobretudo por novas restrições do governo argentino, país que recebe 3/4 dos veículos exportados pelo Brasil e amarga crise econômica. Foram as dificuldades na Argentina que fizeram a Peugeot Citröen suspender parte da produção em Porto Real desde fevereiro último.

De 3 turnos, a fábrica passou a operar em 2, deixando empregados de determinada faixa de horário entre 2 e 5 meses parados, recebendo capacitação profissional.
Honda, Hyundai, Renault, Toyota e Volkswagen disseram que não têm planos de adotar nenhuma medida para reduzir a produção. O G1 aguarda o posicionamento da Ford. O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região diz que a Ford, que fabrica motores naquela cidade, obteve 200 adesões a um PDV em fevereiro.
FONTE: Globo.com e Auto Esporte
14/04/2014

PLR+ABONO e Ticket mais de R$ 20 mil no bolso do trabalhador em 2014

Os trabalhadores do Complexo Ford recebem no próximo mês a primeira parcela da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) conquistada por esse Sindicato e a nossa central CTB. O benefício faz parte do acordo fechado entre a montadora e o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari chapa 1, em 2013, com duração de 2 anos.

O valor total é de R$ 14.825,08 (para quem cumpriu 100% das metas) o absenteísmo começará a ser contado aparte do dia 15 de abril. A primeira parcela é de R$ 6.671,29, a maior PLR paga pela Ford no Brasil. Além disso, os trabalhadores também vão ganhar um  abono, de mais de R$ 3 mil, no período da data base. Situação muito diferente de outras plantas, como em São Paulo, onde não vai haver pagamento do abono.  “O abono é uma conquista dos trabalhadores de Camaçari, por causa da nossa luta e mobilização”, diz Júlio Bonfim, presidente do Sindicato. 
Somando os valores da PLR, vale alimentação e do abono, o trabalhador do Complexo Ford, em Camaçari, vai receber mais de R$ 20 mil de benefícios além do salário. Por segurança, a data exata do pagamento não será divulgada.

Para o Sindicato, o fechamento do acordo de 2 anos, no ano passado, foi muito importante para preservar o trabalhador de turbulências econômicas, principalmente no período mais agudo da crise. “Com o acordo, a nova direção CTB eleita pelos trabalhadores, garantiu a continuidade dos ganhos financeiros do trabalhador durante esse período, sem a ameaça constante de uma instabilidade na economia brasileira e, principalmente, no setor metalúrgico”, explica Júlio.  

Fonte: Stim CTB chapa 1
14/04/2014


domingo, 13 de abril de 2014

Cipa da DHL está com o Sindicato e a CTB


A luta por mais segurança e pela saúde na DHL está ainda mais fortalecida. A Cipa (Comissão Interna de Prevenção a Acidentes) foi eleita semana passada com grande compromisso e desafio de fiscalizar as condições de trabalho no chão e fábrica e atuar junto com o Sindicato em defesa do trabalhador.
 
A maioria dos membros eleitos é ligada ao Sindicato CTB chapa 1, entre eles estão os cinco mais votados pelos trabalhadores na eleição (Anderson Marques, Ernando Nego, Rogério Luiz, Cleidson Bispo, Itamar Sousa e os demais companheiros. Uma demonstração de confiança dos metalúrgicos na direção do Sindicato e dos novos companheiros que se incorporam cada vez mais à luta do movimento sindical.

Fonte: Stim filiado à CTB chapa 1
13/04/2014

sábado, 12 de abril de 2014

ENGENHEIRO DA FORD PERSEGUE DIRETOR DO SINDICATO DOS METALURGICOS

Uma grave denúncia de assédio moral contra os trabalhadores do setor de Pintura do Complexo Ford, feita antes do Carnaval ao Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, gerou uma queixa absurda contra uma dirigente sindical. 
A Situação pode causar a paralisação das atividades no setor.

Um engenheiro de produção da Ford do turno da noite foi acusado pelos trabalhadores de ter entrado em fúria e xingado a manutenção pelo rádio de comunicação, durante uma quebra de uma linha de produção. Os xingamentos foram ouvidos por funcionários da Ford e da Voith.

O caso de assédio moral foi denunciado no blog do Sindicato na semana anterior ao Carnaval, mas só veio à tona agora porque a entidade preferiu investigar as informações.

Após o recesso do Carnaval, as informações foram confirmadas pelos trabalhadores que aproveitaram para fazer novas denúncias contra o mesmo engenheiro. Por conta disso, o Sindicato resolveu enviar e-mail para a Ford solicitando um posicionamento sobre as situações relatadas.

Engenheiro e supervisão dos trabalhadores foram ouvidos pela empresa em uma reunião. As denúncias foram confirmadas e ficou decidido que o funcionário deveria se retratar juntos aos colaboradores. Fato que até o momento não ocorreu.

Como se não bastasse à falta de compromisso e a continuidade no assédio moral, o tal engenheiro ainda prestou uma queixa de calúnia e difamação contra a diretora do Sindicato, que trabalha na pintura, no turno da noite. Vale ressaltar que própria Ford investigou o caso, confirmou as informações e informou ao Sindicato a decisão tomada e imposta ao engenheiro acusado.
Não é a primeira vez que a diretora do Sindicato sofre este tipo de perseguição na empresa. Há um ano, outro engenheiro também a acusou, injustamente, quando a diretora procurou defender o direito dos trabalhadores.

O Sindicato cobra posicionamento da Ford, que se mantém calada diante do problema que revoltou os trabalhadores do setor. O assédio moral na pintura é constante e não parou após este incidente.
O presidente do Sindicato, Júlio Bonfim, disse que a empresa precisa respeitar a entidade e os seus trabalhadores. “A situação é complicada, permanente e a Ford não se posiciona. Os trabalhadores estão determinados em fazer paralisações a qualquer momento”.

Fonte: Stim filiado a CTB
11/04/2014

Mercedes Benz: PDV para 2.000 metalúrgicos e férias coletivas para 200



A Mercedes-Benz abriu ontem um PDV (Programa de Demissão Voluntária) na fábrica de São Bernardo (no Grande ABC, ao lado da capital de São Paulo), para reduzir o excedente de trabalhadores nessa unidade que, segundo a direção da montadora, seria de cerca de 2.000 colegas. O programa é focado nos cerca de 9.500 metalúrgicos horistas, exatamente os da área de produção.


Com prazo até 9 de maio para 'adesões', o PDV tem, dentro do grupo dos horistas, o foco prioritário nos trabalhadores que já poderiam se aposentar. Por isso mesmo, a empresa oferece mais 'vantagens' para o desligamento dos mais antigos na fábrica, com benefícios crescentes de acordo com o tempo de casa e a idade.

Para aderir, é preciso ter mais de três anos de Mercedes, e os que se encaixarem nesse critério e decidirem participar do programa terão, no mínimo, quatro salários adicionais (além das verbas rescisórias normais). Além desses recursos, os que optarem por se demitir até 12 de maio ganharão, pelo menos, mais quatro salários (ou seja, ao todo, oito); se preferirem sair até junho, receberão mais dois e meio (ou seja, terão direito a seis e meio, no total) e, se quiserem ficar até julho, terão só um a mais (totalizando cinco).

A companhia não detalhou a tabela progressiva, mas informou que os empregados com 60 anos de idade e mais de 30 de casa que resolverem deixar a montadora até dia 12 de maio receberão 19 salários a mais, ao todo.

De acordo com dados do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o salário médio da categoria na região é R$ 4.500. Com essa renda, quem se demitir pelo pacote, teria direito a, pelo menos, R$ 22.500 a mais (se optarem pelo desligamento em julho).

FÉRIAS -

A Mercedes-Benz também informou ontem que vai dar férias coletivas, de 20 dias, para cerca de 200 operários da área de CKD (veículos desmontados destinados à exportação). Metade deles sai dia 28 e retorna dia 18 de maio. Os restantes descansam de 19 de maio a 8 de junho. Além deles, parte da área de caminhões (que totaliza 2.000 colegas) entrará em licença remunerada dia 5 de maio, mas os detalhes em relação a esse grupo ainda estão sendo negociados com o sindicato.

Segundo a direção da montadora, 'as medidas são necessárias por causa do cenário de resultados fracos do setor neste ano'. No primeiro trimestre, as vendas de caminhões zero-quilômetro no País tiveram retração de 11% em relação ao mesmo período de 2013.

Fonte:Diário do Grande ABC
12/04/2014

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Policiais armados ameaçam trabalhador dentro do Complexo Ford


No lançamento da fábrica de motores, nesta terça feira 8, um trabalhador não teve nada a comemorar. Segundo denúncias encaminhadas ao Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari filiado à CTB chapa 1, ele foi abordado por policiais militares armados, enquanto caminhava dentro do Complexo Ford no dia 8.
Testemunhas contaram que policiais da Caatinga, desceram de uma viatura, e de forma truculenta, ameaçaram o funcionário, que teve uma arma apontada para a cabeça. Foram momentos de pânico e terror.

Trata-se de uma situação absurda, puro abuso de poder. “Este é o tipo de comportamento correto da PM dentro do Complexo Ford? Tratar o trabalhador como bandido? O trabalhador luta honestamente para garantir o sustento da família, com muito suor, não é um marginal”, afirma o sindicato.

É preciso também cobrar responsabilidade da Ford, que tem agido de forma conivente com essa situação, sem nenhuma preocupação por parte da empresa, imperado o silêncio.

“O trabalhador não consegue almoçar ou jantar de forma tranquila e segura, com a presença de homens armados no refeitório de alimentação da empresa. Será que a Ford acha normal o operário ficar sob a mira de um fuzil dentro do seu local de trabalho? É preciso medidas urgentes por parte do Complexo para coibir esse tipo de ação desastrosa e que só mostra o despreparo de parte da PM no que deveria ser o seu dever: proteger o cidadão”, Stim. 

Enquanto isso no centro de Camaçari, não tem viaturas circulando evitando diversos assaltos, homicídios, latrocínio etc.

Fonte: Stim CTB chapa 1
11/04/2014

trabalhador perde dedo em acidente e colegas paralisam as atividades na Cooper


A sexta-feira (11) começou agitada no Complexo Ford devido a uma paralisação dos trabalhadores da Cooper Standard. Na madrugada, um trabalhador se acidentou e perdeu um dedo. Situação causou revolta e motivou a ação. Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari filiado à CTB chapa 1 acompanha toda a ação e espera conversar com o gerente da empresa ainda na manhã de hoje.

O trabalhador perdeu o dedo no processo produtivo da Cooper, onde o assedio é constante, por parte da direção da empresa. Os colegas da vítima acreditam que a falta de mais trabalhadores na produção e a pressão que acaba recaindo sobre o trabalhador, que se sobrecarrega e precisa exercer a atividade por dois, podem ter ocasionado o acidente. Como faltam trabalhadores na área, o excesso é muito grande e, como se não bastasse, ainda há muita cobrança. Desta forma, o risco de acidentes se torna ainda maior. Absurdo!

Este acidente foi o estopim para o início de uma paralisação dos trabalhadores da área, que acontece desde as 5:30h da manhã desta sexta. Os funcionários reivindicam o fim do assédio moral e a contratação de mais trabalhadores na produção da empresa. Eles também pedem que a Cooper dê mais atenção ao quesito segurança no trabalho.


Após o acidente, a empresa socorreu o trabalhador para o Hospital São Rafael. Segundo informações do Sindicato, a vítima permanece no hospitalizado e passa bem. “Vamos conversar com o gerente da empresa, apresentar as reivindicações e buscar a garantia de que o trabalhador acidentado tenha todos os seus direitos e cuidados acertados”, informa Júlio Bonfim, presidente da entidade. 

Fonte: Stim CTB chapa 1

11/04/2014

Compartilhe em suas redes sociais

Twitter Orkut Facebook Digg Stumbleupon Favoritos Mais